Especial Seminário Internacional de Feng Shui: o futuro encontra o passado

Para o Budismo, estamos presos numa Roda que se repete em vários níveis, ao longo da vida. Cada vez que a Roda gira, temos a oportunidade de evoluir e viver essa impermanência com harmonia e consciência.

Dia 7 - Tui, Criatividade/Futuro

O dia foi dedicado à area da Criatividade, da criança, do futuro. Para vivenciar essa energia, escolhemos voltar ao passado para olhar o futuro. Visitamos o Cromeleque dos Almendres, monumento megalítico, com 12 mil anos, na região de Évora.

 51 emprestando 12 mil anos de sabedoria.

51 emprestando 12 mil anos de sabedoria.

 Constituído por uma centena de meníres, esse monumento pré-histórico está distribuido pelo terreno em forma de elipse, ao longo de um eixo orientado a Leste-Oeste.

Constituído por uma centena de meníres, esse monumento pré-histórico está distribuido pelo terreno em forma de elipse, ao longo de um eixo orientado a Leste-Oeste.

 Ilustração do monumento, com as figuras pré-historicas gravadas nas pedras.

Ilustração do monumento, com as figuras pré-historicas gravadas nas pedras.

A mesma relação Leste-Oeste se repete entre as áreas da Criatividade e a Família, no Ba Guá. Ou seja, olhar o passado, nossa ancestralidade, pode nos ensinar muito sobre nosso futuro e o que queremos construir. 

Fizemos uma roda humana, bem no centro do monumento e lançamos nossas melhores intenções para o grupo, para o país que nos recebe e para o mundo.

 Menir com inscrição pré-histórica

Menir com inscrição pré-histórica

 A energia do futuro é de alegria. Essas florzinhas de camomila, preenchiam o ar com seu perfume. 

A energia do futuro é de alegria. Essas florzinhas de camomila, preenchiam o ar com seu perfume. 

Seguimos para o centro historico de Évora e tivemos a oportunidade de conhecer um patrimônio imaterial da humanidade da UNESCO.

 Grupo Musical Amigos do Guadiana, alegrou nosso almoço, com o cante alentejano.

Grupo Musical Amigos do Guadiana, alegrou nosso almoço, com o cante alentejano.

O dia era do Tui, trigrama do Lago, que na Roda da Vida, simboliza a celebração da colheita com festas e música.

Nesse exercício de olhar para o passado e projetar o futuro, visitamos outro monumento icônico e polêmico da cidade de Évora: a Capela dos Ossos.

 Nao fotografei o interior da capela, em respeito aos ossos que lá estão.

Nao fotografei o interior da capela, em respeito aos ossos que lá estão.

Com paredes forradas de ossos e crânios, extraídos dos cemitérios antigos da cidade, a Capela dos Ossos conversa com quem atravessa a soleira com a seguinte frase franciscana: "Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos". Mais uma vez um símbolo da Roda da Vida, nosso objeto de estudo desse Seminário, relembra a impermanência da vida e a importância do que fazemos em cada dia desse caminhar.

O sol vai a lua vem
A água corre sem parar
O vento sopra a chuva molha
Para de novo o sol secar

Indo indo indo além
Além do além Bodhi Swaha

O sol a lua vem
Preste atenção não vai parar
As nuvens formam e se transformam
e o céu não sai do seu lugar

O mundo gira a vida flui
impermanência a ensinar

(Trecho de um mantra budista sobre a impermanência da vida)

Bj Bj e até a proxima

Segue o link para os outros capítulos desse diário de bordo, feito com muito carinho:

Especial Seminario internacional de Feng Shui - Vamos começar pelo começo

DIA 1 - Kan, Destino/Missão de Vida - A Bela Sintra

DIA 2 - Kun, Relacionamentos - O que a natureza ensina

DIA 3 - Chên, Ancestralidade/Família - A vila das Rainhas, Óbidos

DIA 4 - Sun, Expansão - Pé de vento

DIA 5 - Centro - Sentimento é a chave

Dia 6 - Ch’ien, Amigos/Ajuda do Céu - O Criativo

DIA 7 - Tui, Criatividade/Futuro - O futuro encontra o passado

DIA 8 - Kên, Autoconhecimento - A escolha faz o caminho

DIA 9 - Li,  Realização - O poder da realização